2 de mar de 2008

"Sempre em frente"

Numa conversa ou envolvimento, pensamos em tudo o que vale a pena ou não. Algumas pessoas nasceram com a capacidade de relacionamento, não ficam sozinhas, nem adianta. É de um novelo para outro, sem intervalos de reconciliação.

Não sou dessas pessoas. E, por este motivo, pago um preço alto. Como escrevi uma vez, sempre fiz meus planos sem incluir ninguém no caminho.

"Sempre em frente" era meu lema. Não pensava em possibilidades de precisar abrir mão de meus sonhos para sonhar com outra pessoa. E não penso. Quero buscar todas as estrelas que plantei no céu e deixar que as borboletas voem sobre meu jardim, sem precisar caçá-las.

Algumas coisas são inevitaveis, eu sei disso. Não espero que seja diferente, pois a vida seria sem graça na ausência dos imprevistos. Nós só precisamos estar preparados para lidar com eles.

Até que ponto eu devo buscar liberdade? A linha da liberdade e da solidão são delicadamente interligadas, não exagere em uma para o adquirir outra. Não tenho medo da solidão. Tenho medo de escuro, de bicho, de gente. Estes podem me machucar, exceto o escuro, cujo único perigo é causado pela minha rica imaginação.

Desaconselho meu lema à outras pessoas, "sempre em frente" é uma escolha única, que pode não ter volta. Seguir em frente significa o risco de deixar alguém pra trás, alguém que pode ser muito importante para você, ou para mim.

Ah, e não se pode viver do passado, correto? O passado existe apenas para ser acreditado, como disse Lenon "I believe in yesterday". Acredito no ontem pois vivi e aconteceu, vivo do presente por que é o que criará meu futuro.

Só tome cuidado: seguir em frente acarreta um preço que, às vezes, é alto demais. Essa história de "só se vive uma vez" pode ser a perdição da sua única vida.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
"'Sempre em frente'
foi o conselho que ela me deu,
Sem me avisar
que iria ficar pra trás.
E agora eu pago meus pecados
por ter acreditado
que só se vive uma vez.
Pensei que era liberdade
mas, na verdade,
eram as grades da prisão."
(Humberto Gessinger)

5 comentários:

Mila disse...

Eu, definitivamente, não sou do tipo que pula de um novelo(=casinho? Rolo?) para outro.
Ultimamente, ando até meio que em crise por causa disso.
É bom ser solteira, mas de vez em quando cansa ficar tanto tempo sozinha.

Beijo

Vinicius Cabral disse...

Ótima citação dos Engenheiros! E esse lance de pular-de-galho-em-galho é prá macaco!

=p

bjim

Medella disse...

Ótimo! Só me pego pensando como uma pessoa com tantos "nãos" vermelhos NÃO se considera contundente...

Beijos!!!

Silêncio de Chumbo disse...

Ultimamente eu to usando essa musica como um hino......
Eu ainda to pagando meus pecados por acreditar que só se vive uma vez....

Agora tenho vivido um dia de cada vez... =)

beijos

Tititi disse...

Tb não sou assim e pago um preço alto. Mas estou num momento que não sei se quero continuar a ser assim, mas tb sei que pagarei um preço alto, o da liberdade (ou possível falta de). Enfim, o negócio é como vc disse "seguir em frente" e deixar as coisas acontecerem! Sinto falta disso, de deixar as coisas acontecerem...
Bjokas!!!