20 de ago de 2007


Sentou no sofá a espera de algum telefonema. Ela só queria ouvir a voz de alguém. Uma única frase bastaria para que ela dormisse feliz.

Horas e horas tentando atrair o toque do telefone com o pensamento e nada. Quem poderia ligar naquele momento? Ninguém.

Há mais de dois meses o telefone não tocava para faze-la se sentir importante. Por que iria acontecer hoje?

Desanimada, levantou vagarosamente. Pra que ficar a noite toda no sofá? Pôs-se em direção à porta. Aonde iria ela agora? Novamente ao elevador?

Cada passo acelerava seus batimentos, sua respiração e sua ansiedade. Pisava firmemente, não tinha dúvidas do caminho a seguir.

O destino era o de sempre. Estava decidida. Não havia perdido tudo para o espelho da gaiola gigante?

Queria recuperar seu brilho, sua cor, suas sardas, sua alegria. Queria ser feliz. Por que ficar esperando alguém lhe contar sobre sua importância?

Apertou o botão. A porta abriu. Involuntariamente, seus pés caminhavam. A gaiola gigante esperava por ela.

Novamente encontrou a moça de olhar cansado e desacreditado, a pele continuava desbotada. Estava ali ainda? Por que não libertá-la?

Naquela noite, ela quebrou o espelho e retirou de lá suas forças.

Enquanto isso,dentro do apartamento, o telefone tocava insistentemente sem ser ouvido...

Nenhum comentário: