22 de fev de 2008

Os óculos do John e o olhar do Paul no solo do Brasil.

Assistindo à nova minissérie da Rede Globo, Queridos Amigos, fiquei imaginando como será os relacionamentos da nossa mocidade daqui alguns anos.

Não vivi na época em que os estudantes protestavam 'diretas já', mas acredito que eles tenham sido muito mais intensos que nós, jovens da atualidade. Quais são os ideias? Nossos protestos?
Não preciso ficar caçando nomes brasileiros pra mostrar que os antepassados foram mais fortes que nós. Seria injusto citar alguns, esquecendo de outros, mas entre todos estavam Betinho, Ulysses Guimarães e Henfil que, por sinal, Elis cantou saudade dessa "gente que partiu num rabo de foguete".
Saindo do assunto "diretas já", temos jovens que pregaram a paz mundial. Alguém aqui conheceu o John Lennon? Aquele lindo, fofo e ilustre amante da paz? John e Yoko. Símbolo do amor e paz que os jovens buscavam. [E que grande ironia sua morte, hein, Jo!?]

A juventude emudeceu, perdeu a coragem, desanimou. Estamos preocupados com nossos umbigos perfurados e deixamos que as coisas aconteçam embaixo de nossos olhos sem tomar conhecimento algum.

Nos anos decorrentes à ditadura, os poetas despertaram o melhor de nossa poesia. Cantaram a luta de um povo pelos direitos de uma nação.

Sim, ontem eu chorei assistindo à cena. Chorei por dois motivos: estou tão à flor da pele que qualquer declaração me faz chorar e pelo imenso vazio que senti, tentando resgatar os amigos que tive, que fiz e não tenho tempo de cultivar.

Quem acha que eu me 'amarro' em poesias de amor está redondamente enganado. A minha poesia predileta é a vida. A vida a cada momento.
"A esperança...
Dança na corda bamba
De sombrinha
E em cada passo
Dessa linha
Pode se machucar...
Asas!
A esperança equilibrista
Sabe que o show
De todo artista
Tem que continuar..."
(Elis Regina)

8 comentários:

Jéssica Feller disse...

que engraçado você escrever dobre isso. eu notei que "nossa geração" não passa de acomodados quando entrei na faculdade. escrevi um texto sobre isso: "geração coca-cola com vodca" que seria publicado em um jornal da minha turma. no fim o jornal nunca saíu e eu nunca soube a repercussão que teriam minhas palavras. mas agora fico mais tranquila, existe alguém, além de mim.. que vê algo de muito errado em tudo isso.

um beijo

Vinicius disse...

bah... eu acho que a geração que vem nunca vai beber igual a gente rs !

*Ná* disse...

Vi, espero que não bebam mesmo! Se beberem como você, vão morrer cedo! ahuahua
Bjo

Cansei de ser abduzida disse...

Hmmm... não sei não!

Acho mesmo que a gente vangloria demais as gerações passadas pra ter a desculpa de não fazer nada!
pq querendo ou não.. eles tb não fizeram tudo isso que a historia conta, mas enfim...

beijos..

Medella disse...

Citando uma amiga sua (minha não, porque ela erra o meu nome):

"Sonhar é coisa de drogado e vagabundo".

A juventude de hoje não tem tempo para cultivar ideais. Primeiro porque seus ídolos perdem a máscara muito rápido pela internet. E segundo, é preciso ganhar dinheiro para saciar todo desejo que o Steve Jobs e cia querem que a gente tenha.

Beijos!

caju disse...

não vi essa série, mas estava muito afim de acompanha-la...
bem, porque nossa juventude não luta? eu acho que o que falta é um beliscão bem dado. a ditadura foi um beliscão de arrancar pele, por isso os jovens agiram. mas sei não, logo logo a gente vai ter que agitar novamente. vejo um novo grande problema surgindo (dando uma de nostradamus).

Silêncio de Chumbo disse...

Eu to adorando essa serie...
eu não vivi essa geração tb... mas eh uma escola pra gente...
eu acho que deviamos ser tão barulhentos quanto eles...

beijo

Art
www.blablaismo.com
silenciodechumbo.blogspot.com

Jéssica Feller disse...

http://jmfeller.blogspot.com/2007/08/esse-primeiro-texto-inicialmente-seria.html

:*