10 de fev de 2008

Borboleta

Fiquei ensaiando diversas formas de escrever o que estou sentindo. Tentei utilizar a terceira pessoa do singular, ELA. Sem êxito, tentei também a do plural, Nós. Mas o que me bateu no cílio hoje foi muito maior que qualquer tentativa de camuflar o "eu"-lírico.

Há alguns anos, conheci uma pessoa de vista na faculdade. Linda, sardenta, sorridente.

Encontrei um flog na internet em que ela relatava suas angústias. Era uma fase de transição, término de faculdade, de relacionamento e uma nova estrada pela frente.

Ficamos amigas, nos conhecemos e senti um carinho muito grande pela borboletinha que vôou por meu jardim durante tão pouco tempo e, naquele momento, estava partindo para um novo campo. Torci ardentemente para que tudo desse certo, mesmo não podendo falar sempre, eu a acompanhava de longe e ficava sabendo de suas aventuras.

Foi quando ela arrumou um namorado lá longe, no campo em que estava e, depois de um ano, resolveram casar. Haviam se passado dois anos desde o nosso último encontro.

Chorei ao ver as fotos do casamento, feliz de ver que minha borboleta, além de voar longe, tinha achado as flores mais belas do jardim do mundo. Estava lá, a milhares de quilometros de distância, mas estava feliz.

Em sua viagem pós casamento ao Brasil, não pude reencontrá-la. Logo, surge uma sementinha: Lorenzo. Acompanhei as fotos só pra ver aquela barriga crescer.. e que emoção!

Um casamento na família dela... e, de repente, estava aqui ao lado, na cidade vizinha... com o Lorenzo na barriga... e um chá de bebê num domingo a tarde. Parti. Fiz tudo que era possível para reencontrá-la e ver que está bem. Aliás, está mais linda que antigamente, com a luz de uma nova vida dentro dela.

Na verdade, eu queria dizer que quero continuar acompanhando alguns momentos importantes de sua vida, mesmo que de longe, por fotos e recadinhos.

Não sei como nem por quê surgiu essa admiração, mas sei que existe aqui dentro de mim e fico feliz, como se fosse comigo, a cada conquista que alcança.

É, eu torço por ela como torço por mim.







"Amigo, para mim, é só isto: é a pessoa com quem a gente gosta de conversar, do igual o igual, desarmado. O de que um tira prazer de estar próximo. Só isto, quase; e os todos sacrifícios. Ou - amigo - é que a gente seja, mas sem precisar de saber o por quê é que é."
(Guimarães Rosa em Grande Sertão: veredas)

7 comentários:

MARCELA disse...

Muito obrigada!!! Gostaria de dizer q eh uma honra te la como amiga, e obrigada pelas horas e horas de desabafos. Voce eh linda e muito especial, e conquistara tudo que deseja!!! um bjo enorme

Critical Watcher disse...

Que coisa bonita, menina.
Amizade bela, viu?
Parabéns por conquistar isso.
Gostei de sua sinceridade e tenha a certeza que o texto no eu-lírico ficou bem mais interessante.

Obrigado pelo comentário em meu blog, viu? Seja sempre bem-vinda. Sempre mesmo!

Beijo...

;)

Tititi disse...

É bom demais ter amizades sinceras assim. Melhor ainda é ver o quanto elas estão bem, mesmo distante!!! ^^
Olha, é vc na foto??
Bjokinhas!

Cansei de ser abduzida disse...

Muito lindo ver uma amizade assim verdadeira! Tão difícil assim nos dias de hoje!

Beijos.. te cuida bem!

Fê Probst disse...

Ai menina. Que coisa linda de se ler... Amizade assim, é difícil de encontrar.

Tem outro presentinho pra ti lá no Blog =)

Mila disse...

Amizades inexplicáveis são sempre lindas.
Pessoas que teríamos mais motivos para não gostar do que para amar, quando viram amigas mesmo... Normalmente é pra vida toda.
=)

Gabii Moura disse...

Melhore amigas. Não tem saudade, nem distância que a desfaça.