15 de set de 2008

Em guerra

“Duas luas sobre a Terra
Apoiadas nos meus ombros
Iluminam os escombros
Da nossa última guerra...”


Guerra: sf. 1. luta armada entre nações ou partidos; conflito. 2. Expedição militar; campanha. 3. A arte militar. 4. Oposição.
(Mini Aurélio, 6ª Edição Revista e Atualizada)

Guerra deveria ser o nome disso que nós vivemos e deveria ter como sinônimo os nossos nomes, afinal vivemos em conflito necessariamente.
Necessidade é o que sentimos um do outro, tanto para o AMOR, quanto para o ÓDIO.
É nesta guerra incessante que criamos cicatrizes na ALMA.
Nossas ARMAS são artefatos poderosos, que podem levar à morte se o projétil atingir nosso mais frágil elemento: o ORGULHO.
Seus guerreiros não me conhecem. Eu LUTO sozinha contra o seu exército.
E, com todas essas certezas, seguimos fazendo escombros, matando, a cada dia, o mesmo soldado cansado de tentar apaziguar a situação: o AMOR.

MATAMOS O AMOR ONTEM.
MATAMOS O AMOR HOJE.
MATAREMOS O AMOR AMANHÃ...

... até que só nos restem as feridas abertas, porque sinto que nem as palavras, armas enferrujadas, restarão em nosso arsenal.


“...Seu amor seca hidroelétricas
Corrompe os melhores diáconos
Seu amor esquenta os átomos
E rompe com a minha métrica...”

23 comentários:

Rui Carlo disse...

Desculpe-me, mas: pu-ta-que-pa-riu!!! que poemas, que idéias, que maravilha de sintaxe e de semântica...
Sim, vivemos em conflitos e em guerras, com breves momentos de paz, para nos alimentarmos para as batalhas que ad-virão...
Magnéticos são teus textos

Nally disse...

Não há abrigo contra o mal
Nem sequer a ilha idílica na qual
A mulher e o homem vivam afinal
Qual se quer
Tão só de amor num canto qualquer

Erra quem sonha com a paz
Mas sem a guerra
O céu existe pois existe a terra
Assim também nessa vida real
Não há o bem sem o mal

Nem há amor sem que uma hora
O ódio venha
Bendito ódio,
Ódio que mantém a intensidade do amor
Seu ardor, a densidade do amor, seu vigor
E a outra face do amor vem a flor
Na flor que nasce do amor

Porém há que saber fazer sem opor
O bem ao mal prevalecer
E o amor ao ódio incerto em nosso ser se impor
E a dor que acerta o prazer sobrepor
E ao frio que nos faz sofrer o calor
E a guerra enfim a paz vencer
E a guerra enfim a paz vencer

Erra quem sonha com a paz
Mas sem a guerra
O céu existe pois existe a terra
Assim também nessa vida real
Não há o bem sem o mal

Nem há amor sem que uma hora
O ódio venha
Bendito ódio,
Ódio que mantém a intensidade do amor
Seu ardor, a densidade do amor, seu vigor
E a outra face do amor vem à flor
Na flor que nasce do amor

Na flor que nasce do amor
Na flor que nasce do amor
Na flor que nasce do amor
(Samba de Amor e Odio - Roberta Sa)

* Perfeita esta musica, perfeito teu texto.

Se cuida e fica com Deus, beijo!
=D

Maldita Futebol Clube disse...

Cara belíssimo post, de tão poétcio me faz sentir um saudosismo do patriotismo infantil sem senilidade sem guerra, aquela parada de amara a pátria que os corruptos se encarregaram de desmistisficar e acabar com o tempo... paramos de exaltar nosso país! sei lá...linda, aliás linda mesmo, adorei seu blog, fui clicando aqui e ali e medei bem leitiura de primeira visual arrojado e uma linda dama postando...parabéns, e deixo pra ti:Não há guerra eterna e nem paz duradoura. Não há morte sem vida.Não somos animais irracionais, somos humanos. "È preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã. porque se você parar pra pensar: a verdade não há!"(renato Russo)

Vinicius Cabral disse...

Olha, essas suas palavras dariam uma música, hein? rsrs

Comentário sobre a citação do Skank: The Best!

bjs!

Alice disse...

A-MO essa música! Adorei tbm vc a ter citado! Sobre o post... é absurda a nossa capacidade de machucar e de se deixar machucar, mesmo querendo se defender. Lindo post. Bkas

Thiago Augusto" disse...

BRAVO. simplesmente isso pra sua postagem :)

Thiago Augusto" disse...

P.S.: como curar feridas?

Antônio disse...

Brabo mesmo é lutar sozinho nessa guerra aí...

Beijo, Ná!

Ju disse...

ah não!
eu declaro guerra a isso aí
imagina só matar o amor, não não não!
=)

Adriano DiCarvalho disse...

E tudo pra não ferir o orgulho... O amor é mesmo muito nociso quando desmedido.

BJS, Ná.

Muriel Pando Pereira disse...

Concordo plenamente com a tua definição, bem inteligente e realista.
Beijão!

Estava Perdida no Mar disse...

Acho que acordar diariamente e decidir viver já é uma guerra. Pode ser uma guerra civel, ou fria, mas de qq forma, para dissipá-la nada melhor do que a paz, principalmente a paz q vem de dentro de nós mesmos.
Só assim saberemos pintar nossos céus de cor de rosa.

Cristal - a louca. disse...

Só passei pra dar um alô.
Sabe tempo pouco, mas carinho muito ^^


Beijundas

O Profeta disse...

Frágil e palpitante luz
A beleza é feita de ternos murmúrios
A voz quebra a quietude do silêncio
A chuva leva a terra ao encontro dos rios

Não há fracassos no sonho
Caminhei nas nuvens para te ver do alto
Abri os braços ao relâmpago
Desci à terra, senti nos pés o frio basalto


Vem comigo escolher o caminho


Mágico beijo

Bruno disse...

Este post me fez lembrar

EU MORRERIA POR VOCÊ
NA GUERRA OU NA PAZ
EU MATARIA POR VOCÊ
SEM SABER DO QUE SOU CAPAZ
PAPAPAPAPAPAPAPA

*.*

Adriano DiCarvalho disse...

Ei, moça, tem presente pra ti lá no NOSSO LINK. Passa lá depois.

BJAO.

Aline Christal disse...

Sem palavras, amei todos os versos e "adversos"...otimo.

Lily disse...

lembrei de um trecho de uma música (só pra variar), mas acho q tem a ver:
"Não temas, minha donzela
Nossa sorte nessa guerra
Eles são muitos
Mas não podem voar"

Resumindo: não tema a guerra contra pessoas, situações ou coisas que não sabem voar, querida! vc terá sorte e sairá vitoriosa!

bjksss

Viviane disse...

É verdade, estamos em uma costante guerra. E o pior é que o ser humano tem armas sentimentais muito mais fortes do que qualquer bomba atômica.
Espero que isso um dia mude. =x

Adorei seu blog.
Beijo.

Antônio J. Xavier disse...

E vc me surpreende a cada dia... textos profundos, delicados e as vezes instigantes demais...

Que tal se proclamarmos um cessar-fogo?

Meu exercito e o seu debaixo de uma tenda feita com a bandeira branca do encantamento literário?

Bjinhos

Kamilla disse...

Adoro quando vc faz esse belo jogo de palavras. Fica mto lindo, mto poético!

Bill Stein Husenbar disse...

Encantado.

(Re)Voltareim muitas vezes.

http://desabafos-solitarios.blogspot.com/

Antônio J. Xavier disse...

hummmm... vc disse que gostou da idéia do cessar-fogo. E a sugestão de nossos exércitos debaixo de uma tenda do encantamento literário?

Minha proposta: Um jantarzinho a luz de velas, um excelente vinho, um bom papo e quem sabe a gente celebra até um tratado de paz...

Bjinhosssss (muitos e repletos de carinho)