15 de ago de 2008

Escolha

Eu não quero sair daqui e me colocar a perder de vista por alguns momentos. A minha vida valeria a pena se você valesse a galinha que te consome enquanto eu fico aqui, perguntando o que acontece com meus pensamentos. Eles estão embaralhados, bem sei disso. Sei, também, que eu tenho grande parte da culpa neste cartório de processos arquivados. Aliás, é dentro deste mesmo cartório que meus fantasmas permanecem escondidos. Eles vagam entre um papel e outro, remexendo as pastas que coloquei nas últimas prateleiras da sala fechada.

Quando percebo que as coisas começam a acontecer sem que eu tenha habilidade para segurá-las, dá uma vontade imensa de chorar por que sei que, a partir daí, a escolha é minha. Minha estrada de tijolos amarelos se divide ao meio e não me resta sequer o Espantalho para oferecer ajuda. E quem é que disse que vou encontrar o Homem de lata e o Leão? Não vou encontrá-los, sei disso.

Enfim, estávamos sentados lado a lado, ensaiando como deveríamos dar as mãos, mas elas não se entrelaçavam.

Você contou com eloqüência sobre seus últimos dissabores, sem imaginar as desilusões que eu carregava. Pensou-me forte, e livre. Até pensou que era apegada ao desapego. Mas eu sabia que era como se o mundo não existisse antes. Ou melhor, o mundo existiu e tinha um marco: antes e depois de você.

Não havíamos planejado nada do que estava acontecendo. E meu medo? Bem, passei por cima dele, ciente de que, como minha escolha, qualquer machucado seria culpa minha.

Tá, ninguém deve assumir a culpa inteiramente só, porém eu assumo. E quer saber o motivo?
Eu sinto o que pode acontecer. Eu sinto os riscos que todos nós estamos expostos. Estou. Você está. Não adianta negar. Todo e qualquer ser humano é vunerável ao erro e a dor. Por mais que não queiramos, por mais injusto que seja, aconteceu.

Se estou bem? É um pergunta que não posso responder agora. Vou precisar de um tempo pra chegar a uma conclusão acertada.

Eu sei o que devo fazer. Sei também qual é o erro. E imagino como pode ser o meu gasto. Mas há uma chance e essa tentativa é minha, ninguém vai tirar o meu direito, nem meu esquerdo!

Quer saber? Ta na hora de me levar a sério. Você não, eu. Senti que preciso disso, afinal, também me fechei para o mundo por muito tempo. Mas agora é hora de me doar e eu quero que o mundo me receba de braços abertos e sorriso largo no rosto. Não, não precisa apressar a sua liberdade. Não precisa se permitir ser feliz se não quiser. Da mesma maneira que faço minhas escolhas, não posso fazer as suas. Isso depende de você. E quer saber mais um pouco?

Eu to verbalizando minha vida. Afinal, isso vem de longa data: nasci.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
"Quando eu quis você,
Você não me quis
Quando eu fui feliz
você foi ruim
Quando foi afim
Não soube se dar
Eu estava lá mas você não viu
Tá fazendo frio nesse lugar
Onde eu já não caibo mais
Onde eu já não caibo em mim.
[...]
Mas se eu já me perdi
Como vou me perder
Se eu já me perdi
Quando perdi você?"
(Arnaldo Antunes, 2 Perdidos.)

34 comentários:

Ju disse...

é sempre assim, um marco...
antes e depois e é assim q a gente [re]nasce
=)

LindaRê disse...

Incrível como essas coisas vão se repetindo pela vida e pelas vidas...
No final, sempre vale a pena pelo aprendizado.

Bjs

Hosana Heitz disse...

engraçado como esse texto se encaixa perfeitamente em tudo que estou passando, nesse momento. caiu como uma luva.
:)
abraços

Clecia disse...

Parece que repito sempre isso, mas é a vida! Uma confusão de sentimentos, dúvidas,incertezas, decpeções e por que não alegrias? Bjos e tudo de bom, Ná!

Dantas disse...

li e gostei!
vamos nos linkar? :}

Rafaew disse...

ah, as mulheres!

Tititi disse...

Escrevi um "conto" sobre uma passagem q fiz a Oz. Cruzei com o espantalho, o leão e o homem de lata e, acredite, vc não quer encontrá-los...
Um dia ainda posto no blog.
Bjokas, flor!

Tiago Júlio disse...

Bom, como todo desabafo, na minha humilde e inútil opinião ficou um tanto exagerado.
Não que isso seja ruim, enfim, a dramatização também é uma arte...
Aliás, que sou eu pra ficar falando isso? Ai, ai.

Muito bom o texto, moça. E obrigado pelo carinho.

Tiago Júlio disse...

Bom, como todo desabafo, na minha humilde e inútil opinião ficou um tanto exagerado.
Não que isso seja ruim, enfim, a dramatização também é uma arte...
Aliás, que sou eu pra ficar falando isso? Ai, ai.

Muito bom o texto, moça. E obrigado pelo carinho.

Nally disse...

Então, na vida existem muitas escolhas, certas vezes boas e, em outras não tão boas assim. Mas isso é normal, pra quem é decidido e sabe muito bem o que quer para si próprio é legal. O pior é que quando um indeciso tem que escolher algo.

Eu sou um pouco indecisa, vivo muito de sonhos, ilusões. Sei que estou evoluindo e tentanto sempre melhorar e ser mais decidida.

Lindo texto Nalinda!
Amo!
=D

Antônio J. Xavier disse...

Faça o que tiver de fazer.

Mas faça bem feito. E faça de coração.

E seja feliz minha linda...

bjinhossssssssss

Bruno disse...

Mágico de OZ!!!

Nunca assisti o filme, acredita???

=P

Lydia disse...

A vida é assim, cheia de sentimentos, dúvidas e medos.

=D

Beijão!

Uma bebida e um amor sem gelo, por favor. disse...

não é fácil escolher mesmo e as vezes algumas das nossas escolhas nem correspondem as nossas expectativas, né?!

e frustração é um saco.
enfim...

beijos para vc e gostei mto do seu blog.

Uma bebida e um amor sem gelo, por favor. disse...

não é fácil escolher mesmo e as vezes algumas das nossas escolhas nem correspondem as nossas expectativas, né?!

e frustração é um saco.
enfim...

beijos para vc e gostei mto do seu blog.

Tathiana disse...

Fechou perfeito com Arnaldo Antunes.
Bjs.

Maria Fernanda disse...

Ficou tão vago, Ná. Cheio de interpretações... Mas bonito. Triste, mas bonito.

PS: desculpa o sumiço. A inspiração me convidou para um passeio e eu não recusei. Precisei aliviar a cabeça e fugi daqui para não matar os leitores com as minhas palavras funestas...

PPS: tem presentinho pra ti lá no blog. Não sei se já recebeu, mas vale a intenção de presentear-te.

Beijo meu *:

Lily disse...

mas sempre será assim!
as escolhas acabam traçando nosso caminho e formando o que nós somos!
por isso q temos que cuidar bem delas e, na medida do possível, aceitar o q nós escolhemos e tentar conviver com isso!

temos q saber da responsabilidade que é fazer escolhas!
e fico feliz q vc saiba!

bjksss

disse...

Bonito fim. Começo.

:)

♥тєcα♥ disse...

Olá Ná, to passando rapidinho para te presentear com um seloo selo da campanha da amizade,que consiste em distrubuir a 5 blogs conhecidos ou não, e pulando de blog em blog eu te encontrei, e gostei daqui vou voltar para comentar sobre os posts é que eu tô com pressa agora,rs espero que aceito o selinho se aceitar está a sua disposição no link do meu blog tá bom???
Beijão , ah e eu te favoritei para poder voltar aqui ;D

♥тєcα♥ disse...

Eu disse que ia voltar e voltei, que lindo Ná!!!É bom dar a volta por cima e aprender que além do outro há um "eu" que precisa muito mais te atenção,tomar decisões pode mudar o rumo de tudo pode ser para o bem ou não mas de que importa se podemos começar de novo né???

Beijão!!!

PS:Que bom que aceitou o selo obrigada!!!

Daniela Piva disse...

Lindo... Gosto de quem consegue descrever a melancolia, e ainda assim, suspirar...
Beijos

Bruno disse...

Tu anda meio que melancolica ultimamente néah?

Mas é isso. A gente tem os caminhos, escolhe um deles, e sofre as consequencias... Boas, ou ruins =P

BJ!

Adriano DiCarvalho disse...

Ihhh, Ná... Tive várias interpretações... Mas em todas me esforçei e encontrei beleza em meio a tristeza.

Voltei. Desculpa o sumiço. VIDA, ó VIDA tirana que nos afasta do nosso mundo para que vivamos o mundo dela - a vida!

P.S.:(com a licença da Maria) Tem presente (s) pra ti lá.

Ariana disse...

A vida é sempre uma certeza incerta, precisamos sempre encarar os desafios, os riscos!

beijo

Booperfly disse...

Oi, Ná...é triste isso. Belo e melancólico. mas vc tem que se dar ao reseito mesmo. Adorei a última linha do post.
Bjos,
Paulinha
http://booperfly.fairy-tales.com.br/

Anna disse...

As escolhas sempre deixam a gente com aquela dúvida na cabeça "E se eu tivesse feito assim..." Cada um sabe do que escolhe, e realmente, não vale a pena esperar a manifestação alheia pra depois escolher. Que comentário confuso :~ Beijos

Thefy disse...

Uma hora agente descobre do que é capaz..nunca é tarde..
Adorei o post flor.
Bjokas

Estava Perdida no Mar disse...

Me parece que vc já tem as respostas e já sabe as razões. Talvez falte apenas a coragem para agir, reagir.
Já rompeu o medo uma vez quando se permitiu tentar, né? Rompa novamente.
Beijos

Déh disse...

esse não foi um golinho, foi um longo e ótimo gole!

=]

Tititi disse...

Que honra! Minha humilde lamentação como frase da vez!!! Brigada!!! Então, flor, te disse bobagem, é uma crônica e não conto, mas preciso arrumá-la, pois escrevi correndo, quernedo colocar as palavras logo no papel antes que sumissem... Preciso colocar em ordem, mas tô sem coragem de remexer naquilo. Mas um dia vou publicá-la sim, até pra botar aquilo pra fora! Tô tentando retomar o blog! Já até atualizei!!!
Bjokas!

Naraiana Costa disse...

passamos por nosso momento de sintonia durante algumas semanas.. acho que to melhor. ACHO. Tenho vestido uma capa durante alguns dias. me visto de mulher forte.
Fantasias apenas...
A gente consegue.
Assim espero.

Srta Diazepan disse...

difícies escolhas....

:o(

Kamilla disse...

Concordo, somos nós que podemos realmente nos renascer e nos matar. Só depende da nossa vontade!