21 de jun de 2009

Esperou a água começa a correr pra deixar a lágrima cair. Não apenas uma lágrima, mas milhares dela, saindo com tanta força dos olhos, como um vulcão em erupção. Era doloroso. Estava muito magoada. Não que o fim fosse realmente o fim da vida, mas ela estava habituada a ele, a voz dele, ao cheiro dele...

Ela só queria estar perto, dormir abraçada, ficar quietinha, sentindo o calor da respiração.

Mas ele não conseguiu. Não sabia confiar nas pessoas. E deixou tudo morrer, aos poucos. Tirando um pedacinho dela todos os dias. Com doses homeopáticas de veneno diário.

E a explosão das lágrimas aconteceu na hora do banho. Ela não queria mais chorar por ele. Ela não queria sentir aquilo que sentia. Aquele sufoco, como se a sua via respiratória fosse obstruída por alguma coisa cortante...

A boca se abriu o mais que podia, tentou respirar, suspirou. Sentia dor. Dor incurável, dor insuportável. Nenhum analgésico podia fazer aquilo passar. E ela não sabia o que poderia fazer pra não sentir.

Sem anestesia, tiraram seu coração.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
"Perto de você, eu não pude ficar.
Tente não me esquecer. Eu vou tentar sempre te amar."
[Bromélias, Bidê ou Balde]

17 comentários:

Huguinho disse...

Belo texto, profundo mesmo.
Na minha opinião, tem momentos que chorar é o melhor remédio, no entanto, ele não pode virar costume porque chegará uma hora que ele não irá resolver mais.

Thiago Augusto" disse...

ui. :X

sem anestesia dói :X

Camila disse...

Mas ele não conseguiu. Não sabia confiar nas pessoas. E deixou tudo morrer, aos poucos
ameei essa parte */--*

Lile disse...

Então...
chorar às vezes é o melhor remédio.
Eu gosto de chorar. Alivia.
Eu já odiei chorar. Achava que era fraqueza.
Mas não é.
Bjo

Maria Fernanda disse...

Pior não quando roubam um coração sem anestesia. Pior, é deixá-lo em pedaços.

Força, Flor. Força.

Alexandre disse...

Gostei do texto!
Lembra o Romantismo...

Stephanie Pereira disse...

parece a minha história...


bju flor

Rafa @guapinharj disse...

Ná, você descreveu o meu último domingo... =/
adorei
beijocas

Tititi disse...

Faz muito tempo que não sinto um amor desses... O último levou-me com ele.
Saudades, amore!
Bjokas

Jéssica disse...

Parece que eu vi a mim mesma, exatamente fazendo a mesma coisa, pensando e chorando pela mesma coisa.
Caramba.

E, cara, A-D-O-R-O Bidê ou Balde *-**

;**

Larissa Tezolin disse...

Que lindo e profundo!Exatamente como estou...A melhor coisa é exatamente a explosão das lagrimas no banho...pqp! essa dor é sem explicação;
Se cuida guria
beijos

Fê Miceli disse...

Texto muito bonito!
Impossível não sentir o que as palavras traduzem.

Bjs

Mayana Carvalho disse...

Medo de envolver-se, de machucar-se. Mas amor é isso: confiança! e ele não conseguiu...

Beijos

Patrícia disse...

/lagrimasnosolhosdesculpe!

tem selim pra vc!

Medella disse...

Ná!

Escrevi meu último post sem ler este seu (muito melhor, diga-se de passagem).

Mas não pude deixar de pensar como os dois textos, mesmo que sem querer e tratando de assuntos aparentemente diferentes se entrelaçam.

Tente ler o que eu escrevi (se tiver paciência, claro!) sendo que quando chegar em "coração em uma caixa" passe para o seu último post e depois retorne.

[Só faltou dizer "passe essa corrente para 20 pessoas!"hahahahaha]

Beijos!!!

Nally disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Nally disse...

Nálindaaa ...
Então, que bom que voltou a escrever.
Estava com saudade dos seus textos.

E quase sempre é assim, o coração é tirado sem anestesia, dói pra pitomba. O peito fica vazio, ou cheio de dor! Ulha!