13 de mar de 2011

Metamorfose

Tudo começou com aquela viagem. Na verdade não sei se metade minha ficou quando fui, ou se esqueci de me trazer quando voltei. Só sei que meus sapatos coloridos mudaram, foram da glória ao lixo, substituídos por aqueles neutros, os do dia-a-dia. Eu não trouxe o brilho da Broadway comigo; deixei o meu na Times Square.


Quando sai daqui, tinha certeza que muita coisa ia ser diferente. Eu só não acertei as coisas que mudariam. Foi surpreendente.

O tempo é mesmo um amigo imprevisível. Ele transforma tudo o que você conhece, ou acha que conhece. O tempo te transforma e você não consegue se lembrar em que momento as mudanças aconteceram.

Seria simples pensar que todos nós aprendemos com o tempo. Tempo, o mestre de todas as lições que não nos ensinam na escola. Mas quando menos esperamos, estamos caindo no mesmo erro, repetindo a mesma falha, marcando o mesmo passo. Talvez isso aconteça porque ficamos preocupados demais em acertar e acabamos esquecendo-nos de prestar atenção aos detalhes mais importantes, aqueles que poderiam nos salvar de errar o caminho e cair em um buraco novamente.

Mas, se pensarmos bem, nós podemos cair em diversos buracos ao decorrer da vida, o importante é que não caiamos diversas vezes no mesmo buraco.

5 comentários:

Agostinho Lopes disse...

"Ele ( tempo) transforma tudo o que você conhece, ou acha que conhece."

Profundo!

Bom voltar a se deixar consumir por essa mistura ácida de "soda cáustica e guaraná".

Boa semana, querida!

Ariana disse...

"Mas quando menos esperamos, estamos caindo no mesmo erro, repetindo a mesma falha, marcando o mesmo passo."

Escreveu pra mim né?
Sempre faço isso, é incrivel, mas o tempo sempre faz algo mudar. Nem que seja um pouco aprendemos.


Beijos
Adorei o post!

Stephanie Pereira disse...

De mudanças em mudanças a gente descobre o que a gente é ;)

Otimos disse...

Andar de mudança em mudança, ou de repetindo o repetível e o repetido nos engrandece ou amiúda, basta que deixemos o vento e o tempo nos acariciar a vida, como uma mãe amorosa acaricia a face da nenêm que dorme segura em seu colo, mesmo que num barco à deriva

Huguinho disse...

Puxa, há tempos que não entrava aqui e a roupagem nova ficou muito boa.

Não sou muito desta de que se aprende tudo com o tempo. Na minha opinião, acho isso relativo, pois quem vai definir o tempo necessário sou eu mesmo. Colocar tudo na responsabilidade do tempo acho uma fulga muito fácil para encarar algumas situações.
Prefiro pensar que devemos nos preocuparmos com os detalhes mais importantes como você escreveu.